Faça download dos Aplicativos de Leitura Kindle Gratuitos e comece a ler eBooks Kindle nos mais populares smartphones, tablets e computadores pessoais. Para enviar o link de download para seu smartphone por SMS, use o formato internacional sem espaços (Código Internacional+DDD+Número. Exemplo: +551199999999)

  • Apple
  • Android
  • Windows Phone
  • Android

Para receber o link de download digite seu celular:

Preço Kindle: R$ 22,81
Leia à vontade. Mais de 1 milhão de eBooks Saiba mais
Leia de graça
OU
OU

Essas promoções serão aplicadas a este item:

Algumas promoções podem ser combinadas; outras não são elegíveis. Para detalhes, por favor, acesse os Termos e Condições dessas promoções.

Entregar no seu Kindle ou em outro dispositivo

Entregar no seu Kindle ou em outro dispositivo

Anúncio do aplicativo do Kindle

Coma com consciência: Uma análise sobre a moralidade do consumo de animais eBook Kindle

4.6 de 5 estrelas 3 avaliações de clientes

Ver todos os formatos e edições Ocultar outros formatos e edições
Preço
Novo a partir de Usado a partir de
eBook Kindle
"Tente novamente"
R$ 22,81

Número de páginas: 140 páginas Configuração de fonte: Habilitado Page Flip: Habilitado
Idioma: Português

Novidades da Loja Kindle
Novidades da Loja Kindle
eBooks novos para sua biblioteca digital. Veja aqui

Descrições do Produto

Descrição do produto

Este livro coloca a questão do consumo de animais claramente sobre a mesa.

Todos nós afirmamos nos importar com os animais e acreditamos que eles tenham algum valor moral. Todos nós afirmamos concordar que é errado infligir sofrimento e morte "desnecessários" aos animais e – seja qual for a discordância que possamos ter sobre quando o uso de animais é necessário – todos nós concordamos que o sofrimento e a morte de animais não podem ser justificados pelo nosso prazer, nossa diversão ou nossa conveniência. Nós condenamos Michael Vick por causa das rinhas de cães justamente porque temos uma forte convicção de que qualquer prazer que Vick tenha tido com essa atividade, isso não poderia de nenhuma forma justificar o que ele fez.

Então, como podemos justificar o fato de que nós matamos muitos bilhões de animais terrestres e peixes anualmente para comida? Por mais "humanitariamente" que tratemos e matemos esses animais, a quantidade de sofrimento animal que causamos é assombrosa. Todavia, ninguém defende que os alimentos de origem animal são necessários para uma ótima saúde. De fato, há cada vez mais evidências empíricas indicando que produtos animais são prejudiciais à saúde humana. Mas, seja como for que você avalie essas evidências, não pode haver sérias dúvidas de que podemos ter uma excelente saúde com uma dieta vegana. Há também um amplo consenso de que a pecuária é um desastre ecológico. A criação de animais é responsável pela poluição da água e do ar, desmatamento, erosão do solo, uso ineficiente de proteína vegetal e água, e todos os tipos de outros danos ambientais.

A melhor justificativa que temos para a quantidade inimaginável de sofrimento e morte que impomos aos animais é que eles são saborosos. Nós apreciamos o sabor dos produtos de origem animal. Mas como isso é diferente do que fez Michael Vick, que alegou ser justificável seu negócio de rinha de cães porque ele gostava de ver cães lutarem? Vick gostava de ficar sentado na frente da arena vendo os animais lutarem. Nós gostamos de ficar sentados na frente de uma churrasqueira assando cadáveres de animais que tiveram vidas e mortes tão ruins quanto, se não pior ainda do que, os cães de Vick. Qual é a diferença entre Michael Vick e aqueles de nós que consomem produtos de origem animal?

Este livro mostra que não existe qualquer diferença, ou, pelo menos, qualquer diferença que importe moralmente.

Francione e Charlton argumentam que, se você acha que os animais importam moralmente – se você rejeita a ideia de que os animais são apenas coisas –, as suas próprias convicções requerem que você pare de consumir produtos de origem animal. Não há nada de "extremo" numa dieta vegana; o que é extrema é a inconsistência entre o que dizemos que acreditamos e o modo como agimos com relação aos animais.

Muitos de nós ficamos incomodados ao pensar sobre os animais que acabam em nossos pratos. Podemos ter pensado em parar de consumir produtos de origem animal, mas há muitas desculpas que nos impediram de fazer isso. Os autores exploram mais de 30 desculpas, que ouviram como veganos de longa data, e abordam cada uma delas, mostrando porque essas desculpas não funcionam. Repleto de ideias claras e lógicas sobre a ética animal, sem jargões ou teoria complicada, este livro vai mudar a maneira como você pensa sobre o que consome.


Detalhes do produto

  • Formato: eBook Kindle
  • Tamanho do arquivo: 563 KB
  • Número de páginas: 140 páginas
  • Editora: Exempla Press (10 de agosto de 2014)
  • Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
  • Idioma: Português
  • ASIN: B00MMBS14M
  • Dicas de vocabulário: Não habilitado
  • Leitor de tela: Compatível
  • Configuração de fonte: Habilitado
  • Avaliação média: 4.6 de 5 estrelas 3 avaliações de clientes
  • Lista de mais vendidos da Amazon: #8,617 entre os mais vendidos na Loja Kindle (Conheça os 100 mais vendidos na Loja Kindle)

Avaliação de clientes

5 estrelas
2
4 estrelas
1
3 estrelas
0
2 estrelas
0
1 estrela
0
Ver todas as 3 avaliações dos clientes
Compartilhe suas ideias com outros clientes

Principais avaliações de clientes

Por Victor Evangelista AVALIADOR TOP 100 em 12 de abril de 2015
Formato: eBook Kindle
Essa obra tem dois propósitos:

1 - Exame da moralidade de se comer animais, como indicado pelo título;
2 - Apresentar contra-argumentos para os típicos argumentos utilizados por quem questiona o veganismo (por exemplo, "os vegetais que você come também foram mortos" e "esses ovos foram criados numa fazenda 'humanizada'").

Eu já queria ser vegano e esse livro me deu o empurrãozinho de que eu precisava, então me foi útil. Além disso, me ajudou a esclarecer alguns fatos. O primeiro - e um dos pontos mais importantes do livro: é irracional para quem não boicota as indústrias da carne, dos ovos e do leite se revoltar com quem promove, por exemplo, rinhas de cães, ou com o "esporte" da tourada, pois as referidas indústrias são tão cruéis quanto, ou mais, os supostos "esportes". Esse é um argumento forte para o boicote.

O argumento principal é o de que quem se alimenta de produtos animais não está o fazendo porque é necessário (e obviamente não é, todos sabemos que uma dieta vegana bem balanceada é saudável), mas porque lhe é conveniente. E esse é exatamente o motivo porque as pessoas vão a touradas, promovem rinhas etc. (pelo "entretenimento", para ganhar dinheiro, ou seja porque for).

Senti falta apenas de dados brasileiros sobre as indústrias das carnes, leites e ovos. Mas não vou dar uma estrela a menos para a obra por esse motivo, porque o autor é dos Estados Unidos e obviamente não falhou ao não informar sobre o Brasil. Ainda assim, sinto ser importante ler materiais de autores nacionais para complementar esse vazio.
Saiba mais ›
5 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você? Sim Não Enviando feedback...
Agradecemos pelos seus comentários.
Desculpe, o registro do seu voto falhou. Tente novamente
Informar abuso
Formato: eBook Kindle Compra verificada
O livro “Coma com Consciência: Uma Análise sobre a Moralidade do Consumo de Animais”, de Gary L. Francione e Anna Charlton, acaba de ser lançado em português na versão eletrônica. O livro se baseia em dois princípios que já fazem parte da nossa sabedoria convencional sobre a ética animal.

O primeiro princípio refere-se à obrigação moral, que acreditamos ter, de não impor sofrimento desnecessário aos animais, isto é, concordamos que não temos necessidade de causar sofrimento e morte aos animais por prazer, diversão ou conveniência.

O segundo princípio refere-se ao fato de que, apesar de acharmos que os animais importam moralmente, os humanos importam mais, e, em caso de um conflito real como, por exemplo, se estivéssemos num bote salva-vidas com um cão e um humano e precisássemos lançar um deles para fora do bote, o cão perderia.

Para transformar a teoria em exemplo prático de como as pessoas ficam extremamente aborrecidas e até furiosas quando sofrimento e morte desnecessários são causados aos animais, os autores usaram o exemplo do jogador de futebol americano, Michael Vick, que possuía um negócio de rinhas de cães. Ele não apenas financiou, participou e se beneficiou com as rinhas, mas também matou cães que, para ele, não atuavam satisfatoriamente. O caso aconteceu em 2007, ele passou quase dois anos na cadeia e ainda hoje há comoção com relação ao que ele fez.

E qual o motivo dessa reação de aborrecimento e fúria diante do que Vick fez e diante de muitos outros casos onde algumas espécies de animais são expostos aos sofrimento ou morte?
Saiba mais ›
2 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você? Sim Não Enviando feedback...
Agradecemos pelos seus comentários.
Desculpe, o registro do seu voto falhou. Tente novamente
Informar abuso
Formato: eBook Kindle Compra verificada
Traz inúmeras informações e referências bibliográficas de conteúdo confiável e significativo. Além disso as digressões a respeito da moralidade de se comer ou não carne e outros produtos animais são pertinentes. Autores pecam, porém, ao colocar em termos de bem x mal algumas reflexões.
Esta avaliação foi útil para você? Sim Não Enviando feedback...
Agradecemos pelos seus comentários.
Desculpe, o registro do seu voto falhou. Tente novamente
Informar abuso

Avaliações mais úteis de consumidores na Amazon.com (beta) (Pode incluir avaliações do Programa de Recompensas para Primeiros Avaliadores)

Amazon.com: 2.9 de 5 estrelas 2 avaliações
Esta avaliação foi considerada útil por 1 de 1 pessoa(s):
5.0 de 5 estrelas O livro “Coma com Consciência: Uma Análise sobre a ... 24 de outubro de 2014
Por Vera Cristofani - Publicada na Amazon.com
Formato: eBook Kindle
O livro “Coma com Consciência: Uma Análise sobre a Moralidade do Consumo de Animais”, de Gary L. Francione e Anna Charlton, acaba de ser lançado em português na versão eletrônica. O livro se baseia em dois princípios que já fazem parte da nossa sabedoria convencional sobre a ética animal.

O primeiro princípio refere-se à obrigação moral, que acreditamos ter, de não impor sofrimento desnecessário aos animais, isto é, concordamos que não temos necessidade de causar sofrimento e morte aos animais por prazer, diversão ou conveniência.

O segundo princípio refere-se ao fato de que, apesar de acharmos que os animais importam moralmente, os humanos importam mais, e, em caso de um conflito real como, por exemplo, se estivéssemos num bote salva-vidas com um cão e um humano e precisássemos lançar um deles para fora do bote, o cão perderia.

Para transformar a teoria em exemplo prático de como as pessoas ficam extremamente aborrecidas e até furiosas quando sofrimento e morte desnecessários são causados aos animais, os autores usaram o exemplo do jogador de futebol americano, Michael Vick, que possuía um negócio de rinhas de cães. Ele não apenas financiou, participou e se beneficiou com as rinhas, mas também matou cães que, para ele, não atuavam satisfatoriamente. O caso aconteceu em 2007, ele passou quase dois anos na cadeia e ainda hoje há comoção com relação ao que ele fez.

E qual o motivo dessa reação de aborrecimento e fúria diante do que Vick fez e diante de muitos outros casos onde algumas espécies de animais são expostos aos sofrimento ou morte? Segundo os autores, a chave para entender essas reações é focar as palavras “boas razões”. Vick fez uma coisa bárbara ao impor sofrimento e morte aos cães e a única razão que tinha era o prazer que obtinha em assistir às rinhas. E, no geral, o prazer não é aceito por nós como uma boa razão para justificar a imposição de sofrimento e morte aos animais.

Dentro da mesma análise, “Coma com Consciência” explica que matamos e consumimos mais de 57 bilhões de animais por ano, sem contar os peixes e outros animais aquáticos, e ninguém dúvida de que usar os animais para comida resulta em sofrimento significativo, nas melhores das circunstâncias, e na morte dos animais, e isso diz respeito a qualquer produto de origem animal como, por exemplo, carne, laticínios ou ovos.

Assim, o questionamento é similar ao caso de Vick: temos uma boa razão para fazer isso? Há alguma necessidade envolvida nisso, já que não precisamos de produtos de origem animal para ter uma ótima saúde? A melhor justificativa que temos para esse número estarrecedor de mortes é a de que alimentos de origem animal são saborosos, ou porque achamos conveniente consumir esses produtos, e essas também não são boas razões. Desta forma, não há diferença entre obter prazer com as rinhas e o prazer do paladar obtido no consumo de produtos animais. Nos dois casos existe grande sofrimento sem necessidade.

No entanto, mesmo sabendo que os animais usados para comida sofrem e morrem desnecessariamente, os autores relatam que muitos “mas” ainda são usados para tentar diferenciar o consumo de alimentos de origem animal das rinhas de cães e de outros tipos de “abuso” animal. Questionamentos sobre a obtenção de proteína e ferro na dieta vegana, se Deus não quer que comamos os animais, plantas, o topo da cadeia alimentar, Hitler, entre muitos outros são todos discutidos no livro de forma clara e prática. Uma leitura recomendada para todos.
click to open popover