11 usados e novos a partir de R$ 10,00

Enviar para:
Para ver enderecos, por favor
ou
-
Por favor, digite um CEP válido no formato XXXXX-XXX, sem traços ou pontos.
Tem um para vender? Venda na Amazon
Virar para trás Virar para a frente
Ouvir Reproduzindo... Pausado   Você está ouvindo uma amostra da edição em áudio do Audible.
Saiba mais
Ver esta imagem

O Saci (Português) Capa Comum – 23 out 2006

4.8 de 5 estrelas 7 avaliações de clientes

Ver todos os 5 formatos e edições Ocultar outros formatos e edições
Preço
Novo a partir de Usado a partir de
eBook Kindle
"Tente novamente"
Capa Comum, 23 out 2006
R$ 11,55 R$ 10,00

Leia Enquanto Enviamos
Leia Enquanto Enviamos
Compre e comece a ler a amostra digital deste livro enquanto espera ele chegar. Saiba mais aqui.
click to open popover

Quais outros itens os consumidores compraram após visualizar este item?

Faça download dos Aplicativos de Leitura Kindle Gratuitos e comece a ler eBooks Kindle nos mais populares smartphones, tablets e computadores pessoais. Para enviar o link de download para seu smartphone por SMS, use o formato internacional sem espaços (Código Internacional+DDD+Número. Exemplo: +551199999999)

  • Apple
  • Android
  • Windows Phone
  • Android

Para receber o link de download digite seu celular:



Novidades da Loja Kindle
Novidades da Loja Kindle
eBooks novos para sua biblioteca digital. Veja aqui

Detalhes do produto

  • Capa comum: 72 páginas
  • Editora: Globinho (23 de outubro de 2006)
  • Idioma: Português
  • ISBN-10: 8525043907
  • ISBN-13: 978-8525043900
  • Dimensões do produto: 26,2 x 19,8 x 0,6 cm
  • Peso do produto: 159 g
  • Avaliação média: 4.8 de 5 estrelas  Ver todas as análises (7 avaliações de clientes)
  • Lista de mais vendidos da Amazon: no. 48,342 em Livros (Conheça o Top 100 na categoria Livros)

Descrições do Produto

Resenha Especializada

Resenha Especializada - A Taba

Monteiro Lobato trafegou por muitas áreas em sua vida, mas em todas sobressaía o seu amor pela pátria: a preocupação em transformar o setor editorial do país, em diminuir a distância entre leitores e obras, o projeto gráfico de seus livros, a divulgação de novos talentos literários, o olhar para questões sociais, políticas. E, como não poderia deixar de ser, sua obra infantil traz personagens integrados à cultura e à brasilidade típica de nosso povo. O saci foi escrito após o autor fazer uma pesquisa com os leitores de O Estado de São Paulo. A partir disso, ele cria seu primeiro livro infantil, em que divulga o nosso folclore. Pedrinho após ouvir de Tio Barnabé, figura do contador de histórias popular, sobre a lenda do saci, aventura-se a tentar apanhar o travesso. Quando consegue, passa com ele uma noite pela mata, onde entra em contato com a diversidade do universo maravilhoso das lendas brasileiras. Um livro imperdível para que crianças e pais retomem a (beleza) lindeza (?) da nossa identidade.

Sobre o Autor

José Bento Monteiro Lobato nasceu em Taubaté, interior de São Paulo em 18 de abril de 1882. Formou-se em Direito na Faculdade do Largo São Francisco, em São Paulo, quando morou na república estudantil do Minarete. Ali, liderou o grupo de colegas que formou o Cenáculo, e mandou artigos para um jornalzinho de Pindamonhangaba, que tinha como título o mesmo nome daquela moradia de estudantes. Já formado, Lobato voltou a Taubaté, de onde prosseguiu enviando artigos para um jornal de Caçapava, O Combatente. Nomeado promotor público, mudou-se para Areias, casou-se com Purezinha e começou a traduzir artigos do Weekly Times para O Estado de S. Paulo. Fez ilustrações e caricaturas para a revista carioca Fon-Fon! e colaborou no jornal Gazeta de Notícias, também do Rio de Janeiro, assim como na Tribuna de Santos. Foi com a morte súbita de seu avô, que lhe deixou a Fazenda do Buquira, que Monteiro Lobato passou a se envolver com as questões agrárias do país – sem afastar-se da literatura. Em 1914 redigiu Urupês, criando o Jeca Tatu, seu personagem-símbolo. Logo Lobato vendeu sua fazenda e tornou-se, definitivamente, um escritor-jornalista. Colaborou em publicações como Vida Moderna, O Queixoso, Parafuso, A Cigarra, O Pirralho e continuou em O Estado de S. Paulo. Em 1918 comprou a Revista do Brasil, empolgado com sua linha nacionalista, e ali deu espaço para novos talentos. A revista prosperou e ele formou uma empresa editorial que continuou aberta aos novatos, lançando nomes modernistas como Menotti del Picchia e Oswald de Andrade. É também nessa época que surge a polêmica com Anita Malfatti, a quem Lobato critica no artigo “Paranóia ou mistificação?”, de 1917. Nesse período escreve sua primeira história infantil, A menina do narizinho arrebitado, de 1920, que alcançou imenso sucesso. A partir daí nasceram outros episódios, tendo sempre como personagens a Turma do Sítio do Picapau Amarelo. Criou aventuras com figuras bem brasileiras, recuperando costumes da roça e lendas do folclore nacional, além de misturá-los com elementos da literatura universal, da mitologia grega, dos quadrinhos e do cinema. Monteiro Lobato também fez questão de transmitir conhecimento e idéias em livros que falam de história, geografia e matemática, tornando-se pioneiro na literatura paradidática - aquela em que se aprende brincando. Continuou colaborando com os veículos nacionais, como O Jornal, A Manhã e Diário de São Paulo, para o qual em 20 de março de 1926 enviou "O nosso dualismo", analisando com distanciamento crítico o movimento modernista inaugurado com a Semana de 22. Em 1927, Lobato assumiu o posto de adido comercial em Nova Iorque e partiu para os Estados Unidos, acompanhando as inovações tecnológicas do país. Fez de tudo para, de lá, tentar alavancar o progresso do Brasil, sem medir esforços para trazer a modernidade para seu país. Por causa de suas ideias, teve a sua prisão foi decretada em março de 1941, durante a ditadura militar. Getúlio Vargas concedeu-lhe a liberdade, porém passou a enfrentar o momento mais difícil de sua vida, com a perda do filho mais velho, a falência de sua empresa e a censura que sofria. Monteiro Lobato escreveu mais histórias nas quais seus personagens continuavam sua luta contra o que considerava errado no país – mas o criador desses personagens já estava cansado de tantas batalhas. Monteiro Lobato sofreu dois espasmos cerebrais e, no dia 4 de julho de 1948, virou “gás inteligente” - o modo como costumava definir a morte. Foi-se aos 66 anos de idade, deixando imensa obra para crianças, jovens e adultos, e o exemplo de quem passou a existência sob a marca do inconformismo.

Avaliação de clientes

5 estrelas
6
4 estrelas
1
3 estrelas
0
2 estrelas
0
1 estrela
0
Compartilhe seus pensamentos com outros clientes
Ver todas as 7 avaliações dos clientes

Principais avaliações de clientes

em 11 de março de 2017
Formato: Capa dura|Compra verificada
0Comentar| 1 pessoa achou isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 24 de junho de 2017
Formato: Capa dura|Compra verificada
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
100 PRINCIPAIS AVALIADORESem 25 de julho de 2017
Formato: Capa dura|Compra verificada
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 11 de março de 2017
Formato: Capa dura|Compra verificada
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 30 de março de 2016
Formato: Capa comum|Compra verificada
0Comentar| 1 pessoa achou isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 25 de janeiro de 2017
Formato: Capa dura|Compra verificada
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 31 de outubro de 2014
Formato: eBook Kindle|Compra verificada
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso

Procure por itens similares por categoria