Faça download dos Aplicativos de Leitura Kindle Gratuitos e comece a ler eBooks Kindle nos mais populares smartphones, tablets e computadores pessoais. Para enviar o link de download para seu smartphone por SMS, use o formato internacional sem espaços (Código Internacional+DDD+Número. Exemplo: +551199999999)

  • Apple
  • Android
  • Windows Phone
  • Android

Para receber o link de download digite seu celular:

Preço Kindle: R$ 15,01
logo do Kindle Unlimited
Leia à vontade. Mais de 1 milhão de eBooks Saiba mais
Leia de graça
OU
OU

Essas promoções serão aplicadas a este item:

Algumas promoções podem ser combinadas; outras não são elegíveis. Para detalhes, por favor, acesse os Termos e Condições dessas promoções.

Entregar no seu Kindle ou em outro dispositivo

Entregar no seu Kindle ou em outro dispositivo

Travestis e prisões: Experiência social e mecanismos particulares de encarceramento no Brasil por [Ferreira, Guilherme Gomes]
Anúncio do aplicativo do Kindle

Travestis e prisões: Experiência social e mecanismos particulares de encarceramento no Brasil eBook Kindle

5.0 de 5 estrelas 1 avaliação de cliente

Ver todos os formatos e edições Ocultar outros formatos e edições
Preço
Novo a partir de Usado a partir de
eBook Kindle, 7 mar 2016
R$ 15,01

Número de páginas: 195 páginas Configuração de fonte: Habilitado Page Flip: Habilitado
Idioma: Português

Ofertas de eBooks na Loja Kindle
Ofertas da Loja Kindle
Todo dia, novas ofertas em diversos eBooks. Confira todas

Descrições do Produto

Descrição do produto

As travestis costumam aparecer nas manchetes relacionadas a crimes, sejam os que elas sofrem, em geral letais, ou os que elas cometem. Pela desumanização que vivenciam nesta sociedade – o Brasil é o país no qual mais se matam pessoas transgênero no mundo, principalmente travestis e mulheres trans (JESUS, 2014) –, essas pessoas estão imersas em uma realidade de violação permanente de sua identidade, seus direitos e de sua vida.
Este é um território repleto de estereótipos e ideologias excludentes, o qual aplica preconceitos sexistas e machistas às travestis de forma inegavelmente severa, por meio de discriminações que as subalternizam, colocando-as efetivamente na categoria de uma casta.
Distantes de uma cidadanização plena, fazem as suas microrrevoluções, lutam no cotidiano para, em primeiro lugar, sobreviverem, e em segundo lugar se afirmarem como seres humanos, como seres femininos e, em alguns casos, como mulheres.
Sujeitadas à violência de gênero, especificamente transfóbica, que só lhes permite viver à margem, que não espera delas qualquer laço de parentesco ou valores tradicionais, muitas têm na criminalidade (território marcado pelo protagonismo de homens) um ambiente que as cerca, no qual até encontram relações sociais, afetivas e laborais possíveis, comumente são novamente violentadas, e em alguns casos nele se inserem.
Antes mesmo de cometerem qualquer ilicitude, são culpabilizadas, porque desestabilizam a ordem do corpo social, suscitam o escândalo, incitam a autonomia e, pelo mero e extraordinário fato de existirem, prejudicam a funcionalidade dominante, devendo ser controladas pelo aparato policial, pelas instituições totais (FOUCAULT, 2005) ou até mesmo por cidadãos que fazem “justiça” com as próprias mãos.
Exploradas, traficadas, tratadas como anormais ou risíveis, são alvos fáceis porque desprotegidas pelo Estado – quando não são perseguidas por ele –, ignoradas pela sociedade de consumo, pelo mercado de trabalho e, eventualmente, tornam-se agentes de atividades ilícitas. Há um quê de protagonismo aí.
Guilherme Gomes Ferreira irá nos falar de uma das formas de punição dadas às travestis: a prisão, lugar onde o exercício de poder sobre elas funciona, desde os primeiros momentos, com a finalidade de despojá-las de si mesmas (GOFFMAN, 2007), moldá-las ao nada que se espera que elas sejam, para que, quem sabe, possam ser “ressocializadas” (risos). Isso de maneira genérica, mas o autor irá se concentrar na realidade brasileira, na qual a precariedade das instituições prisionais reflete a condição dos grupos sociais historicamente discriminados que, espera-se, estejam ali representados, orientado pelo padrão PPP (Pretos, Pobres e Putas).
Na maioria absoluta, sendo pretas, pobres e prostitutas (a sociedade que as despreza, concomitantemente, utiliza-as como objetos sexuais), as travestis, tidas ontologicamente como más e a-históricas, trazem na pele o atestado prévio do encarceramento.
E são revitimizadas, postas em instituições masculinas onde são estupradas, vendidas, infectadas, descartadas. São a carne mais barata.
Mas eis que, mesmo nesse lugar mais subalternizado, elas falam, elas denunciam, elas amam, elas refletem sobre as limitações que lhes são impostas e vislumbram possibilidades de irem além do “não”, mesmo que, em boa parte, contradigam-se ao concordar com, em algum nível, com os paradigmas de gênero que as rotula como abjetas.
Vejo, nesta senda de mazelas e condições duríssimas, a esperança de quem cria novas práticas simbólicas e culturais, mesmo quando encarceradas. Mesmo quando sequer são reconhecidas, quando o simples uso da palavra “travesti” é proibido e trocado por outras denominações que, apesar de incorretas e, por vezes, insultosas, são aceitas.
E lá, no lugar mais escondido dos nossos olhares, elas fazem, de suas identidades sociais, identidades políticas exercidas nas brechas. Em suma, é disto que este livro fala: da liberdade de ser quem se é, quando não se é livre de fato e de di

Detalhes do produto

  • Formato: eBook Kindle
  • Tamanho do arquivo: 4965 KB
  • Número de páginas: 195 páginas
  • Editora: Multideia Editora Ltda. (7 de março de 2016)
  • Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
  • Idioma: Português
  • ASIN: B01CODDLCY
  • Dicas de vocabulário: Não habilitado
  • Configuração de fonte: Habilitado
  • Avaliação média: 5.0 de 5 estrelas 1 avaliação de cliente
  • Lista de mais vendidos da Amazon: #35,024 entre os mais vendidos na Loja Kindle (Conheça os 100 mais vendidos na Loja Kindle)

Avaliação de clientes

Compartilhe seus pensamentos com outros clientes
Ver todas as 1 avaliações dos clientes

Principais avaliações de clientes

1 de agosto de 2017
Compra verificada
click to open popover

Onde está meu pedido?

Frete e devoluções

Precisa de ajuda?