amazon-prime-video Baby Beauty Books Novo Kindle Paperwhite eBooks Kindle Cloud Drive Photos Electronics fashion Fire TV Stick home_clean home_improvement home_kitchen Office Computers videogames wireless

Avaliações dos clientes

28 de abril de 2019
Temporada dos Ossos é uma distopia tão complexa, mas tão complexa e original que não sei nem como começar essa resenha. Vai ser complicado explicar o potencial dessa história, como ela me prendeu e cativou e o quanto aguardo ansiosa pelos próximos volumes pois, Temporada de Ossos, é muito bom de verdade.

O início foi um pouco confuso. São tantas informações e classes diferentes de videntes. A autora nos apresenta grupos bem peculiares de "desnaturais" e o jeito é não tentar absorver tudo de uma vez mas sim ir desfrutando a leitura com calma e paciência, e com o passar das páginas garanto que a gente passa a entender direitinho os diversos dons de clarividência.

A protagonista, Paige Mahoney por exemplo é uma andarilha onírica. Paige consegue sair de seu próprio plano astral/espiritual, chamado de éter, e tem a faculdade de invadir o éter dos outros, assim ela consegue visualizar sentimentos, pensamentos, lembranças. Uma verdadeira hacker da mente humana. Não é à toa que um lord dos mime crimes, Jaxon Hall, escolheu ela pra ser parte fundamental de sua gangue, conhecida como Sete Selos.

Paige não vê nenhum problema em burlar as regras. Jax paga bem e a vida em Scion Londres não é nada fácil para clarividentes como ela. Chamados de "desnaturais" eles são perseguidos, caçados e enviados à prisão, sua existência é considerada uma ameaça, ainda que não tenham cometido crime algum, E a sociedade, composta em sua maioria por amauróticos (pessoas sem clarividência) se apressa em julgar e punir os que são "diferentes" e "potencialmente poderosos/perigosos".

A vez de Paige não demora em chegar, e ela é capturada e enviada à uma prisão especial , Sheol I, um lugar escondido da sociedade, esquecido por todos, onde o improvável espreita.

O lugar é comendado pelos Rephaim, uma raça teoricamente superior aos humanos, dotadas de éter, que são fortes e poderosos, e se alimentam do éter de seres humanos como Paige. A garota agora terá duas opções: encarar testes difíceis e árduos para ser uma Túnica Vermelha e assim ganhar algum privilégio e confiança no confinamento, ou se recusar a passar nos testes e ser condenada a viver como uma tunica amarela, conhecidos como covardes e perdedores, forçados a se tornarem artistas e escravos, à mercê da crueldade de seus senhores Rephaim.

Por causa de seu dom, Paige é entregue aos cuidados do "Mestre" Arcturus Mesarthim, um dos Rephaim mais importantes de Sheol I. Ele é o consorte de sangue, o noivo da líder do lugar, a impiedosa Nashira.

Conforme o Mestre passa a treinar Paige, seu dom vai se tornando cada vez mais forte e a garota percebe que resistir pode se tornar uma opção. Mas, em uma terra de opressão e medo, conseguir aliados confiáveis será uma tarefa quase impossível e quando a vida de Paige se vê ameaçada, só resta a garota lutar com o que pode e confiar naqueles que menos espera.

Esse livro é tão grandioso, rico em descrições, em personagens, em variedade de todos os tipos. É uma distopia, com fantasia, toques de romance, muita aventura, ação, e até mesmo algo de mistério, que me manteve grudada nas páginas, querendo saber mais. Eram tantos detalhes que o leitor acaba ficando mais atento em cada parágrafo, com receio de perder alguma informação crucial, e apesar de ser um livro complexo, com uma história muito elaborada, também é o tipo de leitura gostosa, daquelas que fazem o leitor terminar as últimas páginas com um aperto no peito, ansioso pelo que virá a seguir.

Eu fiquei encantada com a Paige e também com o Mestre. Eles dois sãos os protagonistas absolutos dessa primeira parte e eu adorei a interação que há entre eles. Primeiro uma desconfiança mútua, até mesmo um ódio enraizado por parte da Paige. E enquanto acompanhamos a avalanche de sentimentos pelos quais Paige atravessa, também desvendamos com a garota informações bem inusitadas e imprevisíveis sobre essa nova raça trazida por Samantha Shannon, os Rephaim.

Ainda falta muito para explicar e elaborar. Temporada dos Ossos foi apenas a primeira parte de uma série de 7 livros (ainda não publicada inteiramente pela autora) então, apesar de toda a adrenalina que foi esse primeiro livro, as informações mais importantes ainda ficam reservadas para os próximos volumes, onde acredito a autora trará com mais detalhes vários eventos que ocorrem aqui, tanto sobre Paige e os seus, quanto sobre os Rephaim.

O que adorei nesse início de saga é que a autora criou uma trama com começo, meio e quase final. Ficaram várias pontas soltas, porém, o conflito maior que dá o tom à esta primeira parte foi encerrado e se pode esperar uma segunda parte bem diferente, sob um contexto imprevisível já que há vários possíveis rumos para os personagens após este desfecho.

Um dos pontos que tornou Temporada dos Ossos uma leitura tão ágil é justamente a quantidade grande de personagens secundários. Paige está em uma prisão, então conheceremos seus companheiros como ela, os carrascos que os controlam, e detalhes de sua vida antes de Sheol I (que o leitor vislumbra através de lembranças da personagem ao longo dos capítulos), e é bem interesasnte acompanhar as lembranças de Paige porque dá pra gente comparar as mudanças que ela vai enfrentando, e ao memso o leitor se permite adentrar em dois universos distintos, a prisão de Sheol I e a vida clandestina (mas livre) em Scion Londres.

A ambientação é fenomenal. O trabalho impecável da autora na ambientação é o que faz a diferença. ela nos traz uma sociedade cheia de nuance,s de diferenças, de abismos, de caos. Paige vem de um mundo já degradado, comandado por Sindicatos que aliciam clarividentes para motivos nada altruístas e então ela é enviada para Sheol I, u lugar onde a vida vale pouco ou nada, e ela deve conviver com perdas, privações e dificuldades. A autora soube trabalhar muito bem essa ambientação e o leitor se sente imerso nesse ambiente, vivenciando com Paige todas aquelas experiências.

Temos uma dose pequena de romance nessa primeira parte, e achei isso ótimo porque na história não há lugar para um romance que ocupasse destaque. Eu já previa o romance, mas torci do mesmo jeito porque achei o desenvolvimento dele bem lógico, pausado e eu gosto desses romances que vão acontecendo aos poucos, com muita calma, acho que fica mais coerente.

Meu único "porém" com essa primeira parte foi o final. Achei sem emoção. Simplesmente ocorre o esperado e, apesar de envolver o leitor, não é um final de tirar o fôlego. é um final apenas satisfatório, que abre margem para o próximo livro mas que me deixou com uma sensação agridoce, pois eu esperava por mais sofrimento, mais ação...

Temporada dos Ossos é uma fantasia extremamente bem trabalhada, com um universo bem único, cheio de detalhes que, num primeiro momento podem até confundir o leitor, mas logo se esclarecem conforme a leitura avança. Achei os personagens bastante fortes, centrados, a narrativa é envolvente e mantém o ritmo, embora o final tenha me deixado com sentimentos mistos. Uma história que vale a pena conferir principalmente por causa de sua maravilhosa ambientação e trama, que traz uma variedade grande de elementos que podem mudar completamente os rumos da saga, permitindo ao leitor imaginar todo tipo de reviravoltas e possíveis desfechos para Paige e seus aliados.
0Comentar Informar abuso Link permanente

Detalhes do produto

4,2 de 5 estrelas
6
R$23,03