amazon-prime-video Baby Beauty Books eBooks Kindle eBooks Kindle Cloud Drive Photos Electronics fashion Fire TV Stick home_clean home_improvement home_kitchen Office PC sports VideoGames wireless

Avaliações dos clientes

1000 PRINCIPAIS AVALIADORES
31 de janeiro de 2019
Fala galera, hoje vim trazer para vocês mais uma resenha policial. Dessa vez com o primeiro livro da série Harry Hole, do Jo Nesbo.

Examinando o caso (Sinopse):
Inger Holter, uma jovem norueguesa de 23 anos, é encontrada morta no fundo de um penhasco. Ao que tudo indica, foi estuprada e estrangulada; um crime brutal que intriga a polícia de Sydney. Enviado à Austrália pela Divisão de Homicídios de Oslo para ajudar nas investigações, Harry Hole recebe instruções para se manter apenas como observador. Mas ele acaba descobrindo que, o que antes parecia ser um crime isolado, é mais um dos assassinatos em série cometidos por todo o país, sem qualquer relação aparente entre si. Um serial killer está à solta pela cidade. Para Harry Hole, a caçada começou.

Embarcando no voo para Austrália:
Esse é o primeiro livro do Jo Nesbo (autor de Boneco de Neve) que eu leio, e devo dizer que deve ser o livro policial com mais frases de efeito que eu já li na vida.

Como diz na sinopse, a história começa com Harry Hole chegando na Austrália, pois o corpo de uma jovem norueguesa foi encontrado morto. Harry está ali a mando da Divisão de Homicídios de Oslo e acredita que é apenas para resolver o caso, o que ele não sabe é que ele também está sendo testado. Isso porque Harry é alcoolista e isso já trouxe alguns problemas sérios para ele.

Assim que chega no país Harry é recebido por Andrew, que é quem vai se tornar seu ajudante no caso. Andrew faz parte da polícia de Sydney e o grande diferencial é que ele é um nativo. A questão social, racial e histórica é muito grande nesse livro, dá para dizer até que a investigação em si fica de segundo plano. E essas não são as únicas questões tratadas no livro, junto com elas temos questões de gênero e drogas.

O bom é que o autor tem uma escrita muito boa, com isso essas questões são tratadas de uma forma excelente. Você não fica ali achando que a leitura está parada ou fazendo o livro perder o foco, pelo contrário, a mistura se encaixa perfeitamente. Além de você se divertir com o livro você ainda sai aprendendo muito sobre a Austrália, pois um pouco da história dela é contada e sobre sua cultura.

Aliás, o caso em si está muito ligado a todas essas questões e Harry se vê em algumas dificuldades para resolver o problema. Harry é um cara meio tranquilo, mas de certa forma perturbado pelo seu passado, o que faz com que ele às vezes ligue o fod*-s*. Não digo que é fácil se identificar com ele, mas é fácil criar um sentimento por ele, seja de compaixão, pena, raiva ou até gostar do personagem. Ele é bem construído já nesse primeiro volume.

Os outros personagens também são carismáticos e diversificados, e cada um deles tem uma personalidade diferente. A maioria dos ambientes retratados nos livros são de pessoas de classe baixa, ou que são excluídas da sociedade, as falas, comportamentos e gírias seguem cada uma dessas ambientações, mostrando que o autor fez uma boa pesquisa sobre isso.

As paisagens australianas:
A edição do livro é simples, aquele tipo de livro mais maleável, com folhas amarelas mas que às vezes dá para ver o outro lado, sinceramente isso não me atrapalhou em nada. Aproveite a leitura.

Avaliação da viagem:
No fim, é um excelente livro de estreia. Capítulos curtos, crítica social, um caso bem feito, ou seja, tem várias formas de você aproveitar esse livro. Com certeza eu quero ler os outros, que provavelmente irão melhorar ainda mais a qualidade.

Frases locais:

“Cada vez que você desvenda um assassinato, fica um pouco mais abatido. Infelizmente, em geral, esses casos envolvem mais pessoas problemáticas e histórias tristes do que motivações mirabolantes saídas de um livro da Agatha Christie.”

“Na ficção policial tradicional, qualquer detetive que se preze tem um faro infalível para descobrir quem está mentindo. Conversa fiada! A natureza humana é uma floresta vasta e impenetrável, que ninguém é capaz de conhecer em sua totalidade. Nem mesmo uma mãe conhece os segredos mais íntimos do filho.”

“As pessoas temem o que não entendem. E odeiam aquilo de que têm medo.”

“ - E quanto tempo leva para se conhecer alguém de verdade?
- Bem, Harry, nem sempre precisamos de muito tempo para conhecer as trilhas de uma floresta enorme e escura. Algumas pessoas têm caminhos retos, postes de luz e placas. Elas parecem contar tudo a você. Mas é por isso que devemos tomar cuidado para não achar que é fácil conhecer os outros. Porque não encontramos os animais selvagens em estradas iluminadas; eles estão nos arbustos e no meio do mato.
- E quanto tempo se leva para conhecer esses caminhos?
- Depende da pessoa. E da floresta. Certas florestas são mais escuras que outras.”
review image
0Comentar Informar abuso Link permanente

Detalhes do produto

3,9 de 5 estrelas
41
R$40,90+ Frete GRÁTIS em pedidos enviados pela Amazon acima de R$ 99 em livros e games ou de R$ 149 em outros produtos.