Avaliações dos clientes

500 PRINCIPAIS AVALIADORES
25 de abril de 2019
ZAZIE NO METRÔ, de Raymond Queneau, é raro caso de literatura experimental que virou best seller. Lançado em 1959, caiu no gosto dos franceses e vendeu mais de um milhão de exemplares. Trata-se de uma experiência de rompimento: Queneau usou a linguagem coloquial das ruas da Paris dos anos 50, em oposição à linguagem formal da literatura francesa da época. Agradou tanto que a obra foi adaptada para o cinema em 1960, por Louis Malle, um dos papas da Nouvelle Vague. De Raymond Queneau, experiência mais radical é “Exercícios de Estilo” (1947), onde o autor conta a mesma história (de um homem vendo um estranho duas vezes no mesmo dia) de 99 maneiras diferentes, só para mostrar a multiplicidade de estilos que uma única narrativa pode permitir. Em “Zazie no Metrô”, por sua vez, Queneau não explora narrativas, mas a própria linguagem. E acerta. Livro pra quem gosta de livro diferente, daqueles que representam um passo adiante na literatura. Recomendo.
1 pessoa achou isso útil
0Comentar Informar abuso Link permanente

Detalhes do produto

3,6 de 5 estrelas
10 classificações de cliente
R$30,00Frete GRÁTIS com o Amazon Prime