Evergreen Books eBooks Kindle eBooks Kindle KDP Dispositivos Kindle Kindle Unlimited Cloud Drive Photos



Ocorreu um problema para filtrar as avaliações agora. Tente novamente mais tarde.

Escolhi Noites Brancas como ponto de partida para o nosso roteiro por três razões. Primeiro: trata-se de um romance breve (muitos o classificam como novela ou conto longo), que pode ser lido facilmente em um único dia. Segundo: o protagonista e narrador da história, cujo nome não é mencionado em nenhum momento, tem características que reaparecerão em personagens importantes dos grandes romances, como o príncipe Michkin (O Idiota) e Dmítri Karamazov (Os Irmãos Karamazov), servindo, dessa maneira, como uma pequena amostra do herói dostoievskiano. Terceiro: logo nas primeiras páginas do livro, enquanto faz observações angustiantes sobre a sua vida, o narrador caminha sem rumo pelas ruas de São Petersburgo. Podemos ver o Rio Nievá, a Avenida Nievski, e não existe melhor maneira de se entrar no universo de Dostoievski do que vagando por essa cidade tão recorrente em sua obra. Noites Brancas é uma história de amor. O enredo é simples e repleto de suspense. Depois de perambular durante três dias, o protagonista conhece uma jovem e imediatamente se apaixona. Ela aceita se encontrar outras vezes com a condição de que ele lhe permita contar a sua trágica história.
0Comentar| 16 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
“Sou um homem doente... Um homem mau. Um homem desagradável. Creio que sofro do fígado (...). Não me trato e nunca me tratei, embora respeite a medicina e os médicos (...). Mas, apesar de tudo, não me trato por uma questão de raiva. Se me dói o fígado, que doa ainda mais. ”
“Era uma noite maravilhosa, uma noite tal como só é possível quando somos jovens, caro leitor. O céu estava tão estrelado, um céu tão luminoso, que ao olhá-lo seríamos obrigados a nos perguntar infalivelmente: como pode viver sob um céu assim toda sorte de gente irritadiça e caprichosa? ”
Os dois trechos acima são de Dostoiévski. O primeiro é o início de “Memórias do subsolo”, (1864). O segundo é o início de “Noites Brancas”, de 1848, ou seja, anterior à sua prisão e condenação ao degredo na Sibéria. Ambas são novelas curtas – a segunda é mais breve ainda – mas quanta diferença! O narrador (ou melhor dizendo, o seu espírito) é o mesmo: o sujeito angustiado, desesperado, agoniado pela existência. Mas enquanto o primeiro é desesperança, o segundo é um personagem fundamentalmente romântico, esperançoso de encontrar algo. Arrebatado, se lança loucamente na paixão pela moça que conhece na rua. Não apenas se declara, mas faz mais, se mostra, expondo a sua alma por inteiro. A moça também se mostra para ele, mas ela está apaixonada por outra. É o clássico garoto encontra garota, mas em São Petersburgo, durante as longas noites de verão, em que tudo acaba por ter um ar meio fantástico, quase sobrenatural. O narrador, convenientemente, não tem nome, é simplesmente ‘o sonhador’. Ao contrário do narrador de “Memórias do Subsolo”, um ressentido, o sonhador é inquieto atormentado, em busca dessa coisa que é o amor. Consegue? Sim, consegue, mas não é tão simples assim. Leitura interessante para conhecer o jovem Dostoiévski, antes da traumática experiência da prisão e dos dez anos na Sibéria. Interessante, ainda, porque é o autor antes dos grandes romances, que são a parte mais conhecida da sua obra.
0Comentar| 1 pessoa achou isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
10 PRINCIPAIS AVALIADORESem 10 de outubro de 2013
Novela publicada em 1848, Noites Brancas é considerada a maior aproximação de Dostoievski com o romantismo. Escrito em primeira pessoa por um personagem sem nome que sofre de uma solidão profunda, esse livro é tão singelo que passamos as páginas com delicadeza para não machucá-las.

A estória se passa em São Petersburgo, em noites brancas - no verão, durante alguns dias, o sol não chega a se pôr completamente, deixando as noites quase tão claras quanto o dia, as noites brancas. O narrador é um solitário sonhador que, vagando pela rua, se depara com uma moça chorando, a segue e por ela se encanta. Nástienka é uma ingênua menina que vive atada à saia da avó, que é cega, por um alfinete para que não fuja de casa e espera, apaixonada, pelo retorno prometido de seu amor.

Na primeira noite, Nástienka pede ao narrador que por ela não se apaixone. Na segunda, ele lhe conta sua história de isolamento, em um discurso tão elevado que Nástienka se maravilha, mas pede que fale de modo mais simples, pois não saberá falar à altura. Em outra noite, ela é quem lhe conta de sua vida, de sua espera e de seu amor que já deveria ter retornado. Sobre a última noite não lhes digo nada, para não tirar a surpresa, mas conto que entre esses dias, o narrador vai ajudar a moça por quem se apaixonou a reencontrar seu prometido, mesmo que aquilo lhe doa no peito, mesmo que não vá ter nunca o amor de Nástienka para ele.

É uma singela, pura e bonita história de amor, de desprendimento, de amar sem ser amado, de ser amado sem amar. É um amor genuíno, delicado, puro e, eu poderia dizer, sutil, mas não, não é sutil. É forte e extrapola, mesmo que apenas dentro do coração do solitário sonhador, que guarda para si o sentimento por temer que sua libertação afaste sua amada.

Leitura mais que recomendada, rápida e, vou ter que repetir, singela. Um deleite!
0Comentar| 15 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 2 de junho de 2015
Só um gênio para transmitir tanta emoção, alegria, tristeza, medo, amor, angústia, esperança, paixão, sofrimento e penetrar na alma de um ser humano tão profundamente. Este livro é uma grande poesia, sensível e emocionante!!
0Comentar| 2 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 5 de maio de 2017
Um ótimo livro pra ser introduzido à linguagem de Dostoiévski! Vi numa lista que indicava a ordem de facilidade pra leitura e acho que concordo! Indico!
0Comentar| 1 pessoa achou isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 30 de novembro de 2014
Seu texto é magnífico, como sempre. A história é envolvente e o drama nos captura de tal modo que fica impossível abandoná-lo antes do final.
0Comentar| 2 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 20 de julho de 2014
Lindo conto, humano e delicado, sobre o verão sem noites escuras em São Petersburgo. Imperdível. Leitura obrigatória para fãs de literatura.
0Comentar| 4 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 16 de fevereiro de 2017
O leitor mais habituado provavelmente sabe que Dostoiévski está inserido na escola literária do realismo. Nesta obra há, porém, uma licença romântica. Noites Brancas é marcada por elementos sentimentais, mas não recorre - e não se sucumbe - ao sentimentalismo desregrado, afogado por um mar de lágrimas. A dose certa é ministrada com cuidado por Dostoiévski. O inominado protagonista (e narrador) é um homem taciturno, condenado - segundo pensa - ao degredo e que encontrará em uma Srta. (Nástienka), por quem se apaixona, razões para esperar pela próxima noite feliz. Se podemos resumir esta narrativa, fazê-mo-lo do seguinte modo: é uma estória de paixões e amores. Foi-me impossível, por isso, não recordar, no término da leitura, da reflexão de Nietzsche em "Humano, Demasiado Humano": "pode-se prometer ações, mas não sentimentos, pois estes são involuntários. Quem promete a alguém amá-lo sempre, ou odiá-lo sempre, ou ser-lhe sempre fiel, promete algo que não está em seu poder".

Recomendo!
22 comentários| 1 pessoa achou isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 7 de março de 2017
Achei a história bastante profunda e comovente. Vale muito a pena ler este conto, que é um ótimo exemplo da maneira singular de escrever do Dostoiévski.
0Comentar| 2 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
10 PRINCIPAIS AVALIADORESem 10 de outubro de 2013
Novela publicada em 1848, Noites Brancas é considerada a maior aproximação de Dostoievski com o romantismo. Escrito em primeira pessoa por um personagem sem nome que sofre de uma solidão profunda, esse livro é tão singelo que passamos as páginas com delicadeza para não machucá-las.

A estória se passa em São Petersburgo, em noites brancas - no verão, durante alguns dias, o sol não chega a se pôr completamente, deixando as noites quase tão claras quanto o dia, as noites brancas. O narrador é um solitário sonhador que, vagando pela rua, se depara com uma moça chorando, a segue e por ela se encanta. Nástienka é uma ingênua menina que vive atada à saia da avó, que é cega, por um alfinete para que não fuja de casa e espera, apaixonada, pelo retorno prometido de seu amor.

Na primeira noite, Nástienka pede ao narrador que por ela não se apaixone. Na segunda, ele lhe conta sua história de isolamento, em um discurso tão elevado que Nástienka se maravilha, mas pede que fale de modo mais simples, pois não saberá falar à altura. Em outra noite, ela é quem lhe conta de sua vida, de sua espera e de seu amor que já deveria ter retornado. Sobre a última noite não lhes digo nada, para não tirar a surpresa, mas conto que entre esses dias, o narrador vai ajudar a moça por quem se apaixonou a reencontrar seu prometido, mesmo que aquilo lhe doa no peito, mesmo que não vá ter nunca o amor de Nástienka para ele.

É uma singela, pura e bonita história de amor, de desprendimento, de amar sem ser amado, de ser amado sem amar. É um amor genuíno, delicado, puro e, eu poderia dizer, sutil, mas não, não é sutil. É forte e extrapola, mesmo que apenas dentro do coração do solitário sonhador, que guarda para si o sentimento por temer que sua libertação afaste sua amada.

Leitura mais que recomendada, rápida e, vou ter que repetir, singela. Um deleite!
0Comentar| 3 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso

Os clientes também visualizaram estes itens:

R$5,99
R$11,30
R$19,00
R$12,53

Precisa do serviços de atendimento ao cliente? Clique aqui