Amazon Prime Video Books eBooks eBooks Kindle Kindle Direct Publishing Kindle Paperwhite Cloud Drive Photos Eletronicos Fire TV Stick Kitchen Informática Videogame Celular

Avaliação de clientes

4,8 de 5 estrelas
17


10 PRINCIPAIS AVALIADORESem 31 de agosto de 2017
O Labirinto dos Espíritos é o quarto e último livro de O Cemitério dos Livros Esquecidos, uma das minhas séries favoritas. Os livros podem ser lidos fora de ordem, pois as histórias se sobrepõem e se complementam. Como o autor diz, é uma história com quatro portas de entrada diferentes, e isso é o mais mágico de tudo. Contudo, ainda prefiro a ordem de lançamento: A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo, O Prisioneiro do Céu e O Labirinto dos Espíritos.

A Sombra do Vento tem seu foco em Daniel Sempere, O Jogo do Anjo em David Martín e Isabella Gispert e O Prisioneiro do Céu conecta os dois primeiros livros e nos dá um pouco mais de Fermín. Então, o que traz o quarto livro? Traz mais uma personagem forte, nos traz Alicia!

O enredo se desenvolve em torno do sequestro de Mauricio Valls, vilão já conhecido do leitor. Alicia e Vargas são contratados para ajudar a desvendar o caso, mas terminam descobrindo muito mais do que deveriam e arriscando suas vidas. Claro, os mistérios estão conectados com os livros anteriores.

É o mais policial dos quatro livros, especialmente a primeira metade – a que mais gostei. Como lhe é peculiar, Zafón recheia suas páginas com intrigas, desaparecimentos, assassinatos, drama, paixão e uma pitada de humor.

A sombria Barcelona de outrora continua a encantar, o cemitério continua mágico e inspirador e a livraria dos Sempere ainda nos deixa com aquele sorriso bobo no rosto.

O que dizer de Alicia? Essa personagem, uma referência a Alice no país das maravilhas, me encantou profundamente. Bem construída, cheia de camadas, dramática, complexa e, ao mesmo tempo, tão transparente. Vargas? Prefiro não entregar o jogo… (Zafónzito, quiero matarte!)

Assim como nos demais volumes, em O Labirinto a metaliteratura está sempre em cena. Zafón nos presenteia com uma literatura que referencia – e reverencia – grandes obras, mas de forma despretensiosa e sutil. É um livro de entretenimento de qualidade, bem escrito, muitíssimo bem construído e com personagens inesquecíveis. INESQUECÍVEIS! Como esquecer Daniel Sempere?! Impossível!

A história é toda redondinha, sem pontas soltas, mas tem algo que pode incomodar aos mais cricris. Ao longo das investigações, repete-se muito as mesmas informações, sempre com algum acréscimo, mas ainda assim são muitas repetições. Elas ajudam, na verdade, o leitor a não se perder em meio a tantas épocas e tantos fatos distintos. Fiquei o tempo todo pondo em ordem os acontecimentos, puxando da memória o que eu já sabia e rabiscando as novas peças do quebra-cabeças. Uma delícia!

É bom? Muito bom! Amei? Sem dúvidas! Porém senti falta de um algo a mais, talvez de um final mais apoteótico e mais surpreendente. Senti vontade de abraçar o livro em diversos momentos, mas, apesar de a história estar completíssima, queria mais. Queria que superasse A Sombra do Vento… e não supera. É o único defeito.

São quase mil páginas e eu leria outras tantas. Zafón consegue prender o leitor do começo ao fim, com um ritmo frenético e uma linguagem elegante e quase poética, com personagens que exalam amor pelos livros e faz derreter o coração daqueles que compartilham dessa paixão.

Assim como um dia encontrarei aquele guarda-roupa que leva a Nárnia e aquela plataforma que leva a Hogwarts… Cemitério dos livros esquecidos, me aguarde, um dia lhe encontrarei.
0Comentar| 32 pessoas acharam isso útil. Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 16 de outubro de 2017
Depois de ler "A sombra do vento" em 2005, minha experiência como leitor mudou. Conheci Záfon e, desde então, tenho acompanhado o lançamento de todas suas obras no Brasil. Adoro sua maneira de escrever. Embora a obra possa ser lida de maneira isolada, o leitor aproveitará melhor sua experiência se já tiver lido "A sombra do vento", "O jogo do anjo" e "O Prisioneiro do céu". Pena que acabou a saga do Cemitério dos livros esquecidos.
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 4 de outubro de 2017
Se você acha que já leu de tudo, está enganado, Zafon sabe surpreender, sabe prender e cativar os leitores, quem lê qualquer livro do Zafon não esquece jamais as estórias, " O labirinto dos espíritos não é diferente".
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 24 de setembro de 2017
Ao contrário do que muitos afirmam, acredito que para ler O Labirinto dos Espíritos, é necessário ter lido os outros livros da série do Cemitérios dos Livros Esquecidos.
Leitura genial!
Altamente recomendável!
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 8 de novembro de 2017
Maravilhoso! Zafón termina essa quadrilogia com chave de ouro. Ele é um desses autores que a gente termina um livro e fica se perguntando quando sairá o próximo. Indico todos os livros do autor sem exceção.
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 27 de setembro de 2017
Um final muito triste pra quem acompanhou a saga. Não é uma daquelas que viram blockbusters no cinema, mas é aquela que nunca mais sai da memória. E ainda bem que é assim!
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 24 de setembro de 2017
Pra não perder o costume, Carlos Ruiz Zafon arrasa mais uma vez fechando a quadrilogia da Sombra do Vento com louvor. Ele é, sem duvida, o melhor escritor dos últimos tempos.
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 21 de outubro de 2017
Misterioso e emocionante, tudo que esperava do último livro de uma das minhas narrativas ficcionais favoritas. Fã incondicional do estilo desse autor!
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 9 de outubro de 2017
Ótimo como todos os livros da série trazendo luz a todos os mistérios ao longo da série desde a Sombra do vento.
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso
em 29 de setembro de 2017
As obras de Zafón são incríveis, essa não poderia ser diferente, cada palavra é uma descoberta nova, uma parte do mistério a ser revelado.
0Comentar|Esta avaliação foi útil para você?SimNãoInformar abuso